fbpx
Travessia dos Cânions Laranjeiras ao Cânion do Funil - 16 e 17 de junho de 2018

Estávamos a um bom tempo “namorando” esta travessia nos campos de Bom Jardim da Serra, pois até então não conhecíamos nenhum destes 2 cânions, mas finalmente sobrou 2 dias livres para realizar este reconhecimento.

SEXTA – 15/06/2018

Saímos de Alfredo Wagner sexta-feira às 16h em direção as terras de Urubici e Bom Jardim da Serra e no meio do caminho aquela parada no Graxaim Ecohostel do nosso amigo Sérgio que nos deu as orientações e dicas do local.

Caminho que fizemos de carro, da entrada da localidade de vacas gordas até a fazenda no Laranjeiras:

Belo trajeto para se fazer durante o dia ou até mesmo em um pedal! (se tiver pouco tempo é mais rápido ir pela rodovia sc 110, passando pelo centro de Bom Jardim da Serra). Optamos por este caminho pela beleza e porque preferimos andar por estradas de chão!

Após passar por Urubici, seguimos por um atalho de estrada de chão, via “Vacas Gordas” atravessando o Parque Nacional de São Joaquim por 47 km até o ponto onde se inicia a trilha para o Cânion Laranjeiras.

Aqui encontramos os caseiros Sr. Assis e Dona Zuê, onde inicia a trilha.

Chegamos a fazenda onde se inicia o trekking já era cerca de 19hrs, com a autorização dos proprietários montamos acampamento próximo a fazenda, para no outro dia começar cedo a travessia.

Um dos mais belos cenários da serra catarinense, com uma paisagem exuberante, o Cânion das Laranjeiras está localizado no Santa Bárbara, norte do município e fica à 12 km do centro. O acesso se dá de carro até a Fazenda Santa Cândida e a caminhada a pé em torno de 1.500 metros. Altitude de 1.640 metros acima do nível do mar.

Havia bastante geada

SÁBADO – 16/06

Acordamos cedo e após levantar acampamento, começamos a caminhar ainda com geada sob os pés, fazia bastante frio aquela noite e de manhã também. A trilha do Laranjeiras fica na localidade de Santa Bárbara. É bem tranquila  em meio ao pasto com presença das araucárias. Caminho irregular com pedras e atoleiros.

aos poucos o sol foi aparecendo e aquecendo o dia.

No meio do trajeto nos chamou a atenção a quantidade de gralhas azuis nas araucárias, carregando pinhão pra lá e pra cá.

Também nos chamou a atenção o fato da trilha ser relativamente fácil, sem a subida de serra como estamos acostumados. De lá já saímos da fazenda a 1350m de altitude e durante a caminhada a inclinação dos campos que passamos variava entre 1200m a até 1600m,  algo que só vimos em Bom Jardim da Serra.

Chegando ao cânion Laranjeiras após 40 minutos de caminhada, ficamos impressionados com a imensidão e profundidade dos peraus e escarpas.

paredão do cânion laranjeiras

É realmente MÁGICO! Paramos no segundo mirante para o café da manhã com um belo visual.

Café da manhã no mirante do Cânion Laranjeiras

O cânion laranjeiras é imenso e poderíamos ficar o dia todo só o apreciando, caminhando em volta e explorando os seus arredores, porém tínhamos o objetivo de chegar até o Cânion do Funil que estava distante mais de 18km de nós, então continuamos a caminhada à leste.

Cânion Laranjeiras, de lá se avista fácil o radar do morro da Igreja (esq) ao norte.

Como já estávamos nos campos de altitude, seguimos em direção ao funil pelos conhecidos charcos de campos e mata nebular.  Logo chegamos  em um trecho que dava a uma floresta de pinus. Caminhamos por dentro dela por 2 ou 3 horas, parte um pouco obscura.

Subidas fortes no pinheral

Subimos seguindo o GPS pois nessa parte não existe nenhuma trilha marcada, a regra é tocar pra cima para sair do outro lado da serra.

Cânion Laranjeiras visto da plantação de pinus.

Mais algumas partes de charcos, atravessamos os campos rumo as bordas e chegamos nos cânions imponentes do Morro dos Anastácios. Ponto que normalmente seria o acampamento do primeiro dia, mas como era apenas 15hrs,  decidimos caminhar até o cânion do funil. Ficamos boquiabertos com este local, as formações rochosas desta parte da serra eram de uma exuberância sem igual.

No caminho paisagens estonteantes

De lá temos a vista de outras serras e cidades como Lauro Müller e Orleans. No horizonte,podíamos vislumbrar o mar  à 1500mt de altitude.

O mar, visto da serra.

Essa parte da serra (foto abaixo) parece um altar de campos de altitude e é conhecida como pista de pouso. Local que marcou e deixou vontade de voltar.

Este local nos impressionou pela imponência! Pista de Pouso.

 

Acredito que esta seja a cidade de Braço do Norte

E continuamos caminhando, após a “pista de pouso” começa um trecho de subida bem ingrime, vencer esse morro exigiu de nós persistência e muita força. As mochilas estavam bem pesadas e o cansaço pegando, mas nos mantínhamos firme no objetivo de chegar no próxima área de camping.

Ao fundo, as piramides em Grão Pará.

Mais algumas subidas  e chegamos ao local onde podíamos avistar o Funil ao longe.

Finalmente avistamos o cânion do funil

Uma caminhada intensa mas com visuais incríveis!

A partir dai já se avista o parque eólico próximo ao mirante da Serra do Rio do Rastro, distante cerca de 10km.

Quando nos aproximamos do cânion, apesar de cansados,  pois estávamos caminhando sem parar para chegar no acampamento antes de anoitecer, ficamos contentes. Mais alguns kms pelos campos e tivemos de passar algumas cercas e era preciso retirar mochilão todas as vezes.

Primeiro vista do Funil! 🙂

A partir deste ponto da foto era preciso apenas descer mais 2km até o camping mais próximo, montar acampamento e buscar água.

Nossa nepal pela primeira vez no cânion do funil

Situado à esquerda da Serra do Rio do Rastro, e em uma altitude de 1.590 metros o cânion nessa parte não tem acesso de carro, somente a pé ou a cavalo pelas trilhas e campo aberto.

Acampamos no conhecido ”ponta do louco”, na borda leste, ao lado de uma cachoeirinha e onde o cânion se mostrava imponente, um imenso vale lá em baixo e o incrível desenhos das escarpas. Muito bom dormir com o som da água corrente próximo da barraca!

Deitamos ainda em êxtase devido a intensa caminhada e as lindas paisagens que tínhamos visto até ali. O corpo todo estava dolorido, principalmente os pés, qualquer movimento parecia repuxar (principio de câimbra) mas logo relaxamos. Para brindar esse momento uma cerveja artesanal para acompanhar um  delicioso espaguete à 4 queijos. A cerveja da marca MERECIDA  que carregamos durante todo o trajeto foi realmente MERECIDA, Resfriada naturalmente no chão gelado dos campos de altitude.

motivo da mochila pesada: relaxante muscular, pilsen!

Dormimos muito bem nessa noite.

No outro dia de manhã, um pouco antes das 7h, eu sai da barraca e o visual me fez contemplá-lo por alguns minutos.  Ao fundo se via a névoa chegando. Preparamos o café da manhã, e durante o desjejum aos poucos uma neblina foi chegando até tomar conta da serra.

E assim ficou boa parte do domingo

Ficamos um tempo na barraca esperando a névoa se dissipar, mas 2 horas se passaram  e ela ainda persistia. Levantamos acampamento felizes por termos conhecido o IMPONENTE Cânion do FUNIL

Indo em direção ao mirante clássico do FUNIL, tivemos que dar uma grande volta até o final do cânion para então passar para o outro lado. Mais algumas cercas e estávamos na estrada que eu já conhecia. (Já tinha feito a trilha clássica do funil com o trekking por elas).

A profundidade dos penhascos impressiona!

Procuramos um local que tivesse sinal de celular para  ligar para o Seu Miguel, dono da propriedade onde está o cânion do funil, para fazer o nosso resgate, nos levando com sua camionete de volta até a fazenda no laranjeiras distante cerca de 35km dali, onde estava nosso carro.

Seu Miguel e as mochilas no final do desafio.

Retornamos para nossa cidade cansados mas renovados, pois cada experiência de montanha é única e nos faz evoluir como ser humano. Praticamos o bem, procuramos sempre adquirir conhecimento  e curtindo cada momento intensamente.

 

 

Trajeto do primeiro dia:

Trajeto do segundo dia

IMPORTANTE:  Esta travessia passa por diversas propriedades  particulares, onde só é possível acesso com a devida autorização dos proprietários.

É SUPER INDICADO  contratar um GUIA nessa travessia!

4 thoughts to “Travessia Laranjeiras ao Funil

  • Ariel

    Belo relato Renan e Vanessa. Bora programar mais uma investida ai. Eu e a biola estamos a tempo querendo fazer esta ai.

    Responder
    • Renan

      Fala meu brother!! Vamos sim! A região é show para explorar pedalando e caminhando! deixou vontade de voltar mais vezes 😀

      Responder
  • Barbara

    Olá,
    Você pode passar o contato do resgate/ donos da propriedade?

    Obrigada.

    Responder
    • Renan

      Bom dia! Na verdade são vários donos, recomendamos ir com guia, que já tem todo pacote e parceria fechada com os proprietários. Para nós ainda está um pouco inviável levar grupo por conta das taxas altas e a distância. Mas temos um contato de um guia local que pode te ajudar, pesquise por Graxaim Ecoturismo! Espero ter ajudado, até ,mais!

      Responder

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: