fbpx
Escrito Por: Vanessa e Lyah.

Destino:  

Cânion do Funil – Bom Jardim da Serra, SC

Serra do Corvo Branco – Urubici, SC

Morro do Campestre – Urubici, SC

Dias 14 e 15 de maio de 2016.

10 trilheiras – Vanessa, Carol, Paty, Janara, Lyah, Leticia, Fernanda, Jaque, Tamires e Sol.

 

logo-trekking-s-fundo

O Trekking por Elas existe desde 2014. O destino do primeiro trekking foi o Cânion do Espraiado, também em Urubici, Santa Catarina. Somos um grupo de mulheres coma paixão por viajar. É com os lugares visitados, as experiências e as novas amizades que buscamos conhecer mais sobre o mundo e, principalmente sobre nós mesmas. A busca interior será sempre a mais profunda. Viajar amplia nossos horizontes externos favorecendo o mergulho interno. Esperamos com nossos relatos inspirar mais mulheres a se permitir viver e sentir.

 

Colocar em ação o que está no papel exige planejamento, que começou mais ou menos três meses antes da viagem. Desta vez reunimos dez mulheres do grupo e juntas decidimos o roteiro.  Mais da metade do grupo era trilheira de primeira viagem, ainda não tinham conhecimento nenhum de como planejar uma viagem de hiking e trekking. Por sorte uma das meninas, a Vanessa, é formada em turismo e já é adepta a vida outdoor há um tempo, então sua experiência facilitou muito os preparativos e nos deixou mais confiantes.

 

A viagem foi marcada para o dia 14 de maio, com saída às 5h da Praça central de Rio do Sul. Alguns atrasos a parte, saímos às 5h45 rumo a Bom Jardim da Serra, destino Cânion do Funil.

O objetivo na trilha era um hiking, apenas um bate-volta, sem acampamento. Reservamos um pernoite em um hostel/camping e decidimos que a alimentação do jantar e café da manhã seriam coletivos para poupar gastos com restaurante.

Seguimos sentido a serra catarinense, depois de duas horas curtindo um som e o visual do trajeto entramos na rotatória para Urubici, mais algumas curvas e muitas subidas até lá, e a paisagem já se mostrava diferente, com relevos e escarpas imponentes do planalto catarinense. Apenas  uma pausa para o café e logo retornamos para o caminho, mais uma hora de viagem até Bom Jardim, fomos em frente, até outra bifurcação, e então seguimos passando toda a cidade e paramos em frente ao Restaurante Tropeiro, onde havíamos combinado de esperar o dono do terreno, que nos levaria até o começo da trilha. Começamos a trilha um pouco tarde devido alguns atrasos porém ainda estávamos a tempo de voltar de dia. Para fazer a trilha do Cânion do Funil tivemos que pagar uma taxa de 15 reais por pessoa para o proprietário do terreno (muito simpático, até se ofereceu para tirar fotos do nosso grupo.)

13501834_1961176900775274_8179152775597230310_n

Nossa sorte é que o tempo estava estável, sem chuva, porém, no meio do trajeto começou a subir neblina, o que é bem comum em lugares com altitude. Desde o início da trilha frisamos que o grupo deveria se manter unido, caminhar no mesmo ritmo, principalmente quando há muita neblina o risco de se perder por não conseguir enxergar é maior. No meio da trilha há dois caminhos, mas como havia muita neblina e não tínhamos a informação sobre qual seguir, decidimos ir pelo caminho da direita, e erramos. Aproveitamos para fazer um lanche e descansar uns 10 minutos. Voltamos e fomos pelo caminho da esquerda, mais 20 minutos andando e finalmente, às 15 horas chegamos ao Cânion do Funil. Não tivemos a sorte de conseguir ver as paredes do Cânion devido a grande massa de neblina que o cobria. Mas independente disso, aproveitamos a energia entre nós e a natureza e a satisfação de ter chegado ao destino. Curtimos o lugar por meia hora e descemos, pois o clima estava começando a mudar e planejamos chegar cedo ao hostel.

13244670_282177075456599_2197547326050274405_n 13255918_1031397860263212_7153682160749569809_n 13254610_1031390896930575_8431031390238716556_n 13529050_1961177077441923_5474261051341196581_n 13494789_1961177320775232_5686841517707665983_n 13166045_282177892123184_3769387075129389177_n

Pois então, agora vem a desventura da viagem. Imagina só, um grupo de dez mulheres, cada mente, um universo. Apesar de termos combinado de não nos separar, apenas uma das meninas tinha GPS no celular, pois não conseguimos levar o garmim, a Vanessa tinha ficado de pegar emprestado e acabou não dando certo, confessou ter pecado nisso, se sentiu um tanto despreocupada pois a trilha era super fácil. Entretanto, assim, do nada, a Letícia, que estava com o GPS, abandonou o grupo e subiu uma montanha e a Carol ficou preocupada e foi atrás. Ué. O que aconteceu? Momento de decisão: vamos atrás delas ou continuamos a trilha? Aí que começou a confusão: Três prosseguiram na trilha, pois tinham certeza que era o caminho certo. As outras cinco, foram atrás da Carol e da Letícia, que dizia que o GPS estava apontando para outro caminho. A neblina estava quase cobrindo-as. Ficamos apavoradas: será que nos perdemos? Voltamos para a trilha e deixamos elas. Por fim, o alívio… encontramos as cinco gurias sentadas nos esperando, os dois caminhos chegavam no mesmo lugar. Enfim, contei tudo isso para deixar um conselho: não façam como nós, jamais se separem. Levem mais que um GPS, e sempre tenha certeza de onde está indo. Se for mudar o caminho avise todas antecipadamente para não haver conflitos. Com esse atraso todo chegamos no final da trilha quase 18h e fomos direto para o hostel.

 

O nome do hostel é Terras do Sul, fica em Furnas do Rio do Bispo, na comunidade São Pedro, há 20 km da esquina em direção a Serra do Corvo Branco. Havíamos nos encantado com o lugar pelas fotos, e ao chegarmos nos deparamos com um lugar simples, tranquilo e aconchegante, além de ser todo estiloso. Fomos super bem recebidos pelas meninas da Tribo da Lua (restaurante de alimentos naturais do hostel) e pelo Dani Wirth, proprietário do local. O Dani é israelense, mas está há muitos anos no Brasil e fala perfeitamente nosso idioma. Ele comprou o terreno com intenção de valorizar o turismo da Serra Catarinense, lugar que ele se apaixonou desde a primeira vez que conheceu. E quem não se apaixona?

13165938_282178552123118_7833857689856776030_n
Hostel Terras do Sul

13256336_282180542122919_208531048206762617_n

12106971_910689098968229_2582351463368613666_n

Fomos direto para a cozinha, pois depois da emoção da trilha a fome era grande. O frio se adiantou aqui no Sul, então aproveitamos para fazer jus a nossa cultura, utilizamos a cozinha coletiva para preparar o jantar: quentão e o pinhão. E uma macarronada que não deu muito certo, mas deixa pra lá. O hostel é na verdade um camping, pois possui apenas um quarto com um beliche gigante coletivo, tem muito espaço para acampar. Os chuveiros e banheiros ficam do lado de fora. No frio é meio complicado, mas é o de menos, a energia positiva do lugar compensa. Havia um grupo de seis jovens israelenses, cinco homens e uma mulher, que cederam o quarto para que pudéssemos dormir lá. Óbvio que não entendemos nada do idioma deles, mas por sorte eles falavam inglês e nós arriscamos um pouco, deu pra se comunicar tranquilamente. Aprendemos um pouco sobre a cultura deles e eles sobre a nossa, pessoas acolhedoras e descontraídas, ao contrário da visão que tínhamos sobre os costumes deles. Essa troca de conhecimento entre culturas é incrível, percebemos que há exceções em tudo. Aproveitei para quebrar o paradigma sobre conceito de mulher brasileira em uma conversa com um deles. Rolou fogueira, violão e marshmallows. Foi demais!

 

No dia seguinte acordamos às 7h, tomamos café e antes de partirmos, a Vanessa leu um pequeno e singelo texto falando sobre a amizade e a parceria, foi um momento bem especial, onde pode expressar seu sentimento diante daquela aventura, depois de tanto tempo planejando, em seguida demos um abraço coletivo pra fechar com chave de ouro e sentir a conexão entre nós. Fomos indo em direção a saída, conhecemos a casa na árvore que fica em cima do Rio do Bispo, que passa pelo terreno. Muitas fotos depois, nos despedimos e fomos conhecer a Serra do Corvo Branco. Chegando no meio das fendas, paramos o carro e continuamos descendo a pé. Estávamos estasiadas com tamanha beleza das rochas, contemplamos e tiramos mais fotos seguindo até ao primeiro mirante da serra, mesmo que algumas já tivessem passado por ali antes, essa vez com certeza era diferente, estando com amigas e tendo essa conexão incrível com a natureza. Mais alguns minutos e voltamos para o carro, pois ficar parada não rola, quase congela tudo! Brrrrrrr. Estávamos com muita fome e pra não perder muito tempo fazendo comida, almoçamos em um restaurante em frente ao primeiro posto da cidade, a comida caseira e preço acessível (Buffet livre: R$16,90.)

13239389_282182368789403_3190970912651718968_n-1
Casa na árvore!

 

13254087_282182942122679_1958414713796512837_n
Serra do Corvo Branco

 

191c6b_ae89361b4e6e409aae7e9895615b4397-mv2_d_3214_2143_s_2
As trilheiras no Corvo Branco.

Nosso próximo destino foi o Morro do Campestre. Fomos em direção ao Alto da serra do Campestre. Passamos uma porteira onde estava um senhor, provavelmente dono do terreno ou funcionário cobrando uma taxa de 5 reais para a visitação. Lá o carro subiria tranquilamente até uma parte. Porém como estávamos empolgadas, subimos tudo a pé, cerca de 2 km. Lá em cima o cenário é de uma pedra furada,  sendo uma imponente formação rochosa de arenito com 1380 metros de altitude do nível do mar. Tiramos várias fotos e contemplamos aquela imensidão, o tempo estava um pouco instável, mas conseguimos avistar a vasta floresta subtropical, a vegetação típica dos campos de altitude e quase todo o vale do Rio Canoas.

13230072_282185275455779_7558003946184414614_n 13501677_1961177724108525_533171517211281885_n 13254552_282184995455807_4905846047592740123_n 13260199_282185358789104_3075747994883331496_n

Há uma escalaminhada bem curta, que se dá até o topo da pedra furada, de lá a visão é ainda mais ampla e o vento ainda mais forte, ar puro de montanha, momento indescritível. Pra variar um pouquinho, mais algumas fotos das trilheiras e paisagens fascinantes. Algumas de nós tem como hábito a meditação, e no alto desses lugares que visitamos a energia da natureza colabora muito com essa prática, harmonizando nossas mentes e sentimentos. Ficamos cerca de uns 40 minutos e já descemos para então tomarmos aquele cafezinho e dar adeus a cidade das maçãs e do Planalto Serrano Catarinense. Adeus não, até logo, pois pretendemos voltar em breve para novas aventuras.

 

Nosso mundo exterior é um reflexo daquilo que está em nossos mundos interiores em nível coletivo. Ao dirigirmos nossos pensamentos de forma positiva, temos o potencial de direcionar ao mundo para torna-se um lugar melhor. E lá estávamos nós com pensamentos, sonhos e realizações, alinhadas fazendo o Trekking por Elas!

191c6b_2206c88467364c0c85d596f2c48820f5-mv2
Meditação no Cânion

Trilha Cânion do Funil

Distância: 14 km (ida e volta)

Tempo total em movimento: Indeterminado, com início as 11 hrs e chegada ás 18 hrs.

Ganho de elevação: 204 M

Nível da trilha: fácil, quase todo trajeto plaino. (Se você tem um mínimo de preparo físico consegue tranquilamente em pouco tempo. Dá pra chegar de carro 4×4 até o cânion.)

Altitude máxima: 1.464M

Fotos por: Janara do Santos, Lyah Conti e Tamires de Lara.

Relato por: Lyah Conti e Vanessa Laura Franz.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: